domingo, 18 de dezembro de 2016

Repetições de um mesmo sonho

Ele trançava seus cabelos, com silenciosa atenção.
Estavam tão jovens, mesmo que já o fossem há tantos anos.
A música ambiente era nostálgica, mas não dolorosa.
Certo, talvez só um pouco.
Pela janela olhavam o fim do mundo. Poderia ser um céu de nuvens baixas, pesadas e chuvosas às quatro da tarde. Poderia ser uma noite de estrela cadente. Só eles sabiam.
Ela sorria e chorava, ao mesmo tempo, silenciosamente.
Enquanto as mãos pálidas dele trançavam seus cabelos.
Mãos pálidas de veias altas...
Meu Deus!
O ar dentro dela faltou um pouco, mas ele segurou seu ombro a encorajando a continuar a respirar fundo.
Quão funda era aquela dor que não passava nunca.
Quão longos eram os anos, quando esquartejavam lembranças.
Ele estava sentado atrás dela, trançando seus cabelos e ela não podia vê-lo.
Apenas encarava a janela e satisfazia-se com a ilusão de sua presença.
Assim, intangível aos olhos, ele lhe tocava.
"Por favor, não pare", ela dizia com um sorriso triste.
Seus olhos eram o poço sem fundo dos amores que nunca morrerão ou se realizarão.
Assim, ela pedia, delicadamente, para que o sonho não terminasse.
"Por favor, fique mais um pouco" - E ele desfazia a trança e começava novamente.
Nesse ponto o vento soprou sinistro e febril como o fora em um longínquo dia de abril.
O sonho ameaçava ruir - Ela via pelas rachaduras nas paredes.
Como previu...
Nada daquilo,
Daquelas mãos pálidas...
Jamais existiu.

Um comentário:

  1. Love the style of your blog!
    I`m following ur blog with a great pleasure via GFC
    Please join me
    Sunny Eri: beauty experience

    ResponderExcluir