domingo, 18 de dezembro de 2016

Epitáfio

Lá vem a brisa mais uma vez,
A mais inocente e inconsciente ventania,
Alienada de seu efeito.
E sopra nas cordas e linhas que entrelaçam os destinos dos tolos,
Modifica a geografia do todo.
E roda a roda mais uma vez.

Ah, o tédio.
Catalisador de todos os meus acidentes.
O tédio continua a me impulsionar a plantar minas em terrenos pacíficos.
A explodir ideias em ações impulsivas
Apenas para ver o estouro,
Que corrói a calmaria.

Estou esperando aqui sentada,
Levemente ansiosa, já não mais cansada.
A força ainda existe, a centelha de caos e raiva,
A fúria que nasceu em mim, que talhou minha mortalha.

Eu não quero ser doce, não quero ser pura.
Eu não quero ser calma, não quero ser sua.
Eu quero ser a loucura que não some, apenas se transmuta.
Às vezes ela adormece e se esconde
Mas nunca
Nunca muda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário