terça-feira, 4 de outubro de 2016

Os homens gostam mesmo é das loucas.

Às vezes fica até fácil, até aceitável, às vezes fica até crível.
Às vezes consigo acreditar que ele sente todas essas coisas, principalmente quando me abraça com tanta força e me olha com aquela urgência sem salvação, de que está tentando realmente me convencer, incompreensível, sem saber porque é tão difícil para mim ser possível tudo isso acontecer.
E ele diz que me ama, que não pode viver sem mim, e tudo que consigo pensar, racionalmente, é: Como assim?
Nada do que ele faz desmente isso, sim, ele é tão coerente, mas como isso poderia se encaixar de maneira plácida em minha mente?
Eu, que não consigo estar presa em qualquer ponto fora do extremo entre querer injetar meu amor por seus poros ou então regurgitar suas entranhas.
Enquanto isso, ele me observa, paciente e resistente.
E eu não consigo entender, o olho bem, dentro do seu olho procuro o espião que a NASA deve estar enviando para tentar me conquistar e destruir porque descobriram finalmente que eu sou inapta a viver nesse mundo então eu devo ser no mínimo um alienígena bem feio vestindo o corpo de uma menina (ainda) de vinte e poucos anos encontrada no lago com feridas no pulsos e olhos rasgados.
Então, você me abraça e segura meu corpo e eu o sinto se dissolvendo sob meus ossos porque isso é só um corpo embora as sensações que me dá sejam muito divertidas, mas ao mesmo tempo eu poderia muito bem jogá-lo em frente a um carro - e nisso penso constantemente quando volto do trabalho ao meio dia, para desespero da minha mãe - e ele iria se esvaziar e eu iria sangrar um pouco talvez e em seguida pensar que vivi uma maravilhosa visita aqui nesse planeta azul de arvorezinhas devastadas.
Mas o que sei é que por enquanto ele existe, meu corpo. Assim como você, os alienígenas e as arvorezinhas devastadas da são francisco com florzinhas roxas cor de veneno perto do municipal e você, mas isso eu já disse não é mesmo?
E o que fica de você é sua incompreensível resistência em me querer, eu tão errada ao tentar constantemente destruir e conquistar você, necessariamente nessa ordem. E odiar todas as coisas sujas que se aproximam dessa sua boquinha linda, porque ela é minha, você é meu e veja só no que você se meteu.
Porque parando para pensar, bem, você é todinho seu, não é mesmo? pergunto com rancor, enquanto, mordo meus lábios, ofendida, porque você não quis dar cada pedacinho da sua existência a meus caprichos e isso é inadmissível e ainda por cima me faz te querer ainda mais.
E como pode uma pessoa tão saudável me amar, eu pergunto, desconfiada, porque você sorri e me beija "acredita que eu amo você", de maneira tão doce que me faz ter raiva, meu querido, o que diabos você está fazendo comigo, você que poderia estar por aí vivendo uma vida pacífica e tranquila, curtindo toda sua coerência de pessoa  bem resolvida (mais rancor), mas quando você me olha assim e sorri e olha que já faz mais de setecentos e trinta dias e desde o início eu já dava indícios de não ser exatamente pacífica, e quando você me olha assim e sorri, e me convence e me faz pensar que esse texto já mudou de ritmo três vezes e que eu queria estar te odiando solenemente ou então encolhidinha no seu abraço só me resta concluir, até mais ou menos coerente, mas não tanto quanto você que
Os homens gostam mesmo é das loucas.

domingo, 2 de outubro de 2016

Procedimento

Eu gosto de guardar debaixo da minha manga
Pelo menos três sentimentos
Que mantive guardados, pouco alimentados, monstos mal cuidados
Aptos a devorar.
Gosto de estocar lembranças,
Sempre as mais inflamantes possíveis
E falar delas com a banalidade de quem não as viveu.
Por que bem,
Neste jogo não tenho que rebuscar meu vocabulário, meu bem.
Uma a três obsessões por ano,
Uma lixeira de intenções e encantos,
Minha cabeça latejante e impaciente,
Sedente,
Do próximo grande rasgo de amor que vou fazer na minha mente.
(E depois, quem sabe, musicar dessa maneira pobre.)