segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Quão amáveis são as coisas que não conhecemos

Mas a verdade é que às vezes eu sinto frio por dentro,
Como se fosse só mais uma estranha perdida nessa madrugada sacana, sem casa, sem cama, sem nada.
Eu gostaria de uma coerência? Claro, claro, claro. Todo dia da semana.
Mas qual seria a graça disso?
Eu quero queimar todas as minha vontades em uma fogueira de tralhas e observar seu faiscar tranquilo.
Queria era dar o fora daqui.
Abandonar tudo o que eu preciso e assim suicidar minha fraqueza. Mas não é esse o desejo de todos os fracos?
A minha vontade de renascer é o que me mantém viva, mas ela é aliada a minha vontade de destruir.
Queria eu ser calma, queria eu ser boa, queria eu ser cândida.
Mas a quem estamos enganando?
Eu gosto mesmo é do caos que posso provocar com um leve movimento em falso. Com a movimentação das coisas, das engrenagens dos acontecimentos, corações e vontades.
Eu gosto da ideia de poder destruir tudo a qualquer segundo, da leve liberdade que isso me dá.
Mas essa é só uma de mim e ela não tem a autonomia total sobre o que eu faço.
Porque ao lado tem uma parte que chora quando se sente só e do lado alguém que apenas observa com tédio.
E não foi o tédio o catalisador de todas minhas mais estúpidas, criativas e destrutivas ideias?
Não foi o tédio que me trouxe aqui, que me deixou bizarra, sombria, cínica e sorridente?
Não foi o tédio que me fez sentir amor, dor ou rejeição?
Porque uma parte de mim é insensível ao toque,
E a outra explode todo dia.

Um comentário:

  1. Isso ficou sensacional
    Kristalzinha do céu, eu estou apaixonada? por esse texto? sim e sim.
    Saiu dos seus dedos mas quando eu li fiquei me perguntando se não foram dos meus.

    ResponderExcluir