quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Imagens na areia podem formar castelos indestrutíveis

Minha voz é fininha, minha respiração inaudível.
Eu gostaria de já ter aprendido todas as lições que hei de ter
Jogadas na cara
Como cartas marcadas,
Com gosto de navalhas.
Gostaria de já conter a sabedoria que preciso
Para apreciação.
Para saber viver.
Mas não tenho e sou duas:
De um lado anseio, sabendo que todo esse redemoinho se dissolverá em um tranquilo copo d'água.
Do outro desespero, esperneio com a mesma infantilidade com qual ansiava uma autoconfiança que tenho hoje e não me serve em nada.
O tanto que possuo é exatamente o que quis e meu Deus, meu Deus, cuidado com o que desejemos.
Para ficar no registro, para deixar claro, em registro de ata do karma:
Eu desejo paz em mim, eu desejo calma.
Eu me pergunto se é por isso que minhas veias pulsam e não é, eu sei, nunca foi,
Eu sempre precisei de dor e portanto a infligi em mim mesma, com a ingratidão dos que não dominam (sequer arranham) a arte da apreciação.
Mas eu desejo a calma, antes que a vida me imponha.
Eu ainda tenho a ausência de dor verdadeira,
Ainda carrego essa pureza.
Enquanto a carrego, peço e rezo com toda a fé que esnobei com arrogância, pela serenidade da qual conscientemente abdiquei.
Iludida por imagens
Arquétipos de mim mesma,
Quão perigosa é a mente de uma criança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário