quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Quão rarefeito é o ar de cima de toda esta pedância? Ora, e eu não sei?!

Ah, minha vaidade.
Não te arde como brasa?
E machuca sua garganta quando você engole essas palavras fáceis, estupidamente falseadas e tão superficiais quanto a futilidade que criticas?
A vaidade, sim, é uma delícia. Porque eu preciso me sentir especial. Assim como cada uma das pessoas que conheço.
O comum é ordinário, e por que isso haveria de ser pejorativo, minha criança?
Não é verdade que existe uma gentil tranquilidade em aceitar nossa pequenez?
É o gosto calmo da derrota, da falha em atingir o objetivo máximo e único que é ser pioneiro em TUDO,
E a gente ri disso e tece críticas afiladíssimas com conteúdo substantivo de literatura brasileira ou russa, mas no fundo a satisfação vem do salto: Eu já estive aí.
Ah, "CRIANÇA", eu já cresci.
E veja só, lá está você de novo.
Teia de tralhas,
Labirinto cansado,
Troféu de lixo
E uma doce sensação de vitória,
Que vai aos poucos te picar em pedacinhos.

Imagens na areia podem formar castelos indestrutíveis

Minha voz é fininha, minha respiração inaudível.
Eu gostaria de já ter aprendido todas as lições que hei de ter
Jogadas na cara
Como cartas marcadas,
Com gosto de navalhas.
Gostaria de já conter a sabedoria que preciso
Para apreciação.
Para saber viver.
Mas não tenho e sou duas:
De um lado anseio, sabendo que todo esse redemoinho se dissolverá em um tranquilo copo d'água.
Do outro desespero, esperneio com a mesma infantilidade com qual ansiava uma autoconfiança que tenho hoje e não me serve em nada.
O tanto que possuo é exatamente o que quis e meu Deus, meu Deus, cuidado com o que desejemos.
Para ficar no registro, para deixar claro, em registro de ata do karma:
Eu desejo paz em mim, eu desejo calma.
Eu me pergunto se é por isso que minhas veias pulsam e não é, eu sei, nunca foi,
Eu sempre precisei de dor e portanto a infligi em mim mesma, com a ingratidão dos que não dominam (sequer arranham) a arte da apreciação.
Mas eu desejo a calma, antes que a vida me imponha.
Eu ainda tenho a ausência de dor verdadeira,
Ainda carrego essa pureza.
Enquanto a carrego, peço e rezo com toda a fé que esnobei com arrogância, pela serenidade da qual conscientemente abdiquei.
Iludida por imagens
Arquétipos de mim mesma,
Quão perigosa é a mente de uma criança.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

O tempo é feroz e come todas as coisas belas

Com meu sorriso pouco entediado, respondo suas perguntas.
Com a expressão de uma anciã cansada de ainda vinte e poucos anos.
Eu corri muito para estar aqui. Lutei muito para chegar aqui.
E isso me deu uma presunção pouco surpreendente, e aquela velha sensação do desgaste...
Verdade seja dita, respondo o que você quiser sobre mim, porque já não sou mais tão interessante.
Já não tenho fogo correndo nas veias, de raiva, de fúria, de vida.
Já não fecho os olhos e penso sonhos acordados, já não escuto barulhos na noite e na madrugada.
Na calada da noite agora é só um período. Canela se tornou meu chá preferido e a escrita, minha procrastinação.
Oh sim, veja que situação.
Eu, sempre na contramão, hoje sou vanguarda. Não mais quebrando e sim construindo muralhas.
Me desumanizando um pouco cada vez mais.
Nada de grama, céu ou animais.
Apenas meu velho sorriso polido,
Meu coração pouco surpreendido.

Mas às vezes...
Às vezes ainda se acende algo, ou sussurra no meio fio.
Às vezes ainda sinto fome, às vezes ainda sinto frio.
Sinto a vontade insana de explodir meu vazio.

Cada vez menos.
Menos e menos vezes.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Quão amáveis são as coisas que não conhecemos

Mas a verdade é que às vezes eu sinto frio por dentro,
Como se fosse só mais uma estranha perdida nessa madrugada sacana, sem casa, sem cama, sem nada.
Eu gostaria de uma coerência? Claro, claro, claro. Todo dia da semana.
Mas qual seria a graça disso?
Eu quero queimar todas as minha vontades em uma fogueira de tralhas e observar seu faiscar tranquilo.
Queria era dar o fora daqui.
Abandonar tudo o que eu preciso e assim suicidar minha fraqueza. Mas não é esse o desejo de todos os fracos?
A minha vontade de renascer é o que me mantém viva, mas ela é aliada a minha vontade de destruir.
Queria eu ser calma, queria eu ser boa, queria eu ser cândida.
Mas a quem estamos enganando?
Eu gosto mesmo é do caos que posso provocar com um leve movimento em falso. Com a movimentação das coisas, das engrenagens dos acontecimentos, corações e vontades.
Eu gosto da ideia de poder destruir tudo a qualquer segundo, da leve liberdade que isso me dá.
Mas essa é só uma de mim e ela não tem a autonomia total sobre o que eu faço.
Porque ao lado tem uma parte que chora quando se sente só e do lado alguém que apenas observa com tédio.
E não foi o tédio o catalisador de todas minhas mais estúpidas, criativas e destrutivas ideias?
Não foi o tédio que me trouxe aqui, que me deixou bizarra, sombria, cínica e sorridente?
Não foi o tédio que me fez sentir amor, dor ou rejeição?
Porque uma parte de mim é insensível ao toque,
E a outra explode todo dia.