sábado, 20 de agosto de 2016

O cansaço é apenas a sensação anterior ao total esquecimento.

É engraçado, é irônico, é um pouco bobo.
A idade é realmente bem superficial, com o passar dos anos.
Em círculos eu transitei, me iludindo por uma década com realizações com as quais sonho desde minha inocência.
Mas todas as coisas que eu toco dissolvem-se ao meu contato: Viram pó, viram partículas. Incorporam ao ar ao meu redor e enchem de novo meus pulmões, tão pequeninas como no fundo sempre foram.
Eu pensei que havia muito a conseguir, mas tudo que eu tinha que sentir já estava pulsando como uma artéria incandescente dentro de mim.
Mas eu, e como poderia ser diferente, não vi.
Eu não vi.
Eu sentei-me e esperei pelas coisas erradas: Criança preguiçosa como eu, sempre esperando afeto, futuro, revelações.
Eu, que era raivosa e vermelha e em meus dedos trazia fúria e com minhas unhas arranhava meu próprio coração.
Eu sempre estive bastante consciente da minha inaptidão em lidar com o tempo e com a doçura que me é oferecida pela natureza.
E sempre estive também, abrindo a pele de tudo que toco e extraindo seus órgãos e vísceras, os abraçando com meu corpo frágil de ossos sob a pele, tentando assim sentir qualquer angústia que me tornasse menos leprosa. Sentindo a paixão por tudo machucar minha pele e em seguida dissolver-se em nada, me trazendo essa sempre amiga, sempre retornante, sempre raposa, sensação tranquila de que tudo se torna irrelevante no final. E o que final é simplesmente algo que ocorre diante do mais inesperado e mínimo estímulo, de uma leve mudança na corrente de ar.
Será sempre assim?
Ou vou me deparar com o contrário em mim covardemente escondido?
Quantas vezes mais vou precisar matar-me dentro de mim?

Nenhum comentário:

Postar um comentário