domingo, 21 de fevereiro de 2016

Meu inventário de coisas lindas

E me vem que quando você ama alguém
Ama o seu Amor
Aqueles momentinhos ordinários
Inconscientes
Se tornam impérios para sua visão,
Pequenos tesouros abstratos
Que você tenta capturar com seus olhos,
Delinear na memória
Eternizar num texto
As nuances do teu amor.

Não são as demonstrações
Não, nem falo delas aqui
São as vértices daquela pessoa.
É o jeito que ele fica com raiva em silêncio quando perde no jogo
Ou como ele sorri comendo, com os lábios em um arco fechado perfeito.
É a voz dele ao telefone com os atendentes
Ou seu sorriso aberto aos vendedores de loja
É a elegância com a qual fica em pé, distraído
E o jeito meigo que se envergonha ao ouvir isso.
É o seu andar, visto de costas, minha perfeição particular
E como eu o encontro dormindo, esparramado pela cama
Ou em um rolinho primavera de edredom.
É como facilmente adormece em meus braços
E seus lábios se entreabrem buscando respirar.
É como fica autoritário com seus assuntos preferidos
E seu riso fácil em todos os momentos necessários.
É seu fio de cabelo branco precoce do lado esquerdo
E sua barba que escolhe muito bem por onde crescer.

Eu escrevi 365 destes
E de algum modo
Todo dia se multiplicam
E eu já conheci tantos mais
Até que percebi que precisaria descrevê-lo
Em meticulosa descrição
Pois cada coisinha dele é, por ser dele, maravilhosa
Revela-se maravilhosa
Nesses meus olhos que só vêem ele.