quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

This is all a dream into a dream into a dream....

Acordou no ambiente azul.
Tudo cheirava a metal e alguma sinfonia quebrada, antiga e talvez irreal. 
A cama era sua, o tempo era essa onda de frequências destoantes.
Olhou ao seu redor e podia ver claramente os pontos de energia chocando-se, absorvendo-se ou extirpando-se. Arriscou tocar o chão com os pés e quando o fez, o mesmo balançou diante de seu peso de pena de mulher.
Era mulher, mas seu espelho a contrariou um pouco ao negar-lhe uma imagem certa e coesa. De repente sua pele confundia-se com as partículas de poeira, de luz e de som.
Seu corpo antes tão individual encontrava o prazer de flutuar como água em um plano abstrato. Prazer esse que jamais poderia ser nomeado como tal, pois suas sinapses não focavam-se para conceitos e sim para a percepção das forças ainda não contaminadas pela linguagem humana.
A própria classificação humana significava pouco ou quase nada, diante da epifania óbvia e onipresente de que sua matéria assemelhava-se a de todo o resto, sendo contida em si apenas pela conveniente ilusão de individualidade.
Afinal, que ousadia e suicídio seria negar-se como lhe disseram ser, permitindo sua consciência ser distribuída em seu verdadeiro lar, ou no caso, sua verdadeira forma.
Sentia, assim, esta dita consciência diluir-se cada vez mais no mar abstrato do não-pensar. Amoldando-se a diferentes formas, cores, formatos ou o nada em si, a forma mais substancial de existência.
Quando estava prestes a descansar, porém, sua catarse foi brutalmente assassinada por um dito despertar e levantou, em um susto, de sua cama.

Sua testa suava e seu coração palpitava forte.

-Que sonho louco. - Disse para si mesma, já começando a esquecê-lo.

Levantou da cama, com um contato bem mais ordinário entre seus pés e o chão. 
Quando passou pelo espelho, no entanto, este a prendeu frente a imagem de sua própria face, distorcida e transfigurada em um sorriso louco:

-Não se engane. - Disse sibilante. - Isso tudo é um sonho, dentro de um sonho, dentro de um sonho...

Sentiu algo repartido entre pavor e esperança.