sábado, 2 de fevereiro de 2013



Ah, mas está tudo escondido. Está tudo muito bem escondido. Entre uma camada, e outra, e outra de intenção.
Eu nunca mais falei nisso, nunca mais contei sobre isso. Gostaria sentar-se e ouvir. Uma história camuflada, pois não? Mas pergunta-se o que está omisso. Pensa a noite inteira nisso. Não parecia compreensível tentar remasterizar a canção?
Faço muito pouco caso. De tudo que se varre para debaixo do casco. Mas na hora de dormir, o pensamento volta em trovão?
Eu não sei o que aconteceu. Fui dar uma volta lá fora. Sentir um sabor diferente. Quem saber até conhecer gente. Feita de pele e de osso, e não de lágrima e criação.
Ninguém sabe o que ocorreu. A escritora, será, morreu? Fica difícil explicar? Te deixo com a dúvida e a intuição.