sexta-feira, 4 de junho de 2010

Sobre estrelas. (Ou "Estas alegrias violentas têm fins violentos.")

'O verdadeiro romance
Nasce do acaso
Se modela por impulsos
Se define nos excessos
Se macula pelo tempo
E se finda
Numa grande explosão
Tal como a paixão
Que o um dia o gerou.'




(Bom, hoje eu quero dar um alô todo especial a você, única leitora do blog:
OI, RUANNA! :D )

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Tatuagem

Quem que vai dizer
Que não é imortal,
Posto que eu vi nascer
Mesmo sem ser real.
E se até eu, descrente que sou
Joguei os dados e apostei
Quem é que vai ousar dizer
Que o nosso amor não é a lei?

Vamos fazer assim, que tal. (Ou À toa)

Eu vou parar de fingir que estou bem.
E você vai parar de fingir que ainda não está.
Eu vou parar de tentar enxergar coisas além
Do educado esmero que você me dá.

Nós vamos parar de chamar
Mera fricção de corpos de emoção
E eu vou parar de falar
Tudo o que sinto, e simplesmente pôr em canção.

Você vai parar de omitir seus outros amores
E me dar respostas pela metade
Eu vou parar de me permitir horrores
Só para fazer a sua vontade

Eu vou parar de ignorar
As maravilhas que tinha antes de você vir
E você vai parar de fraquejar
Me chamando sempre que eu decidir partir.